sábado, 26 de fevereiro de 2011

Faculdades, Maçãs e Colisões Cósmicas entre Culhões

Minhas aulas na Uninove começaram no exato momento em que fiz minha matrícula e, a partir daí, meu ritmo de vida (que podia ser considerado bastante noturno e vazio) mudou bruscamente; fato que inclui meu relógio biológico um tanto quanto estuprado.
Estou acordando diariamente as 6 da manhã, tomando ônibus, trem, lotação e o que mais eles puderem inventar e oferecer pra encoxar a gente publicamente de uma maneira justificável com o intuito de levar-nos até a faculdade. Not that easy. E ainda tenho que voltar correndo pra dar minhas aulas do período tarde&noite na Wizard Mairiporã, lugar no qual agora por sinal estou trabalhando uniformizado.

Hmm.

Se você é daqueles que, assim como eu, dizia que não faz faculdade por causa de grana, tempo e o escambal ao quadrado, acho bom repensar seus conceitos, pois de fato a parte financeira até pega sim, mas é contornável para a maioria das pessoas.
Existem cursos superiores com preço verdadeiramente em conta e muitos outros até gratuitos. O que realmente é necessário para cursa-los é fibra, "culhões", coisa que não se encontra em qualquer um.
Coisa que eu não tinha até pouco tempo e que muita gente tem que ter pra poder conciliar estudos e trabalho fazendo sacríficios enormes e abrindo mão de muitas outras coisas em prol de um sonho maior que, agora eu sei, vale a pena.
Resumidamente: Chega de desculpinhas e vá estudar, @#$%&*!

Está semana também ocorreu o advento da batida/porrada/demolição do meu carro amado mas, não vou nem falar sobre isso, pois já está tudo encaminhado e praticamente resolvido. Quem acompanha meu Twitter já está ligado no papo: Basta digerir um pinto de R$ 4.000.00 e prestar mais atenção ao volante. E bola pra frente.

Não vou ter mais muito tempo de agora em diante pra ficar escrevendo baboseiras aqui já que estou cheio de livros e trampos pra fazer até o final do semestre. Mas prometo que quando escrever, serão coisas realmente interessantes, hehe.

Pra encerrar vou deixar uma citação feita ontem por minha esposa em sua colação de graú pelas faculdades integradas Rio Branco.
Sim, ela agora é Bacharel em Editoração e eu me orgulho muito disso enquanto a observo dormindo, aqui do nosso computador.
Se eu não me engano, a fonte da frase é Albino Teixeira.
Lá vai:

"A morte do homem começa no instante em que ele deixa de aprender"

That's it folks.

Nenhum comentário:

Postar um comentário