domingo, 15 de maio de 2011

Fim de Temporada Reveillon

Ontem no clube Adler de Vinhedo, interior de SP, aconteceu aquele que denominamos o "último baile desta temporada da Big Band Reveillon".
A partir de agora entramos numa pré-temporada de 3 meses sem baile e eventos, tempo este que deverá ser utilizado para reformas de repertório, testes, introdução de novas idéias e equipamentos e, especialmente, férias!
Claro que meu orçamento sofre quando este tipo de coisa acontece, mas já provideciei mais aulas na Wizard e estou com intenções de fazer alguns showzinhos bem particulares, cujas concepções eu já possuo em mente há um bom tempo. Quem sabe até não começo uma nova banda?
Haverá tempo pro Sheep Gigante, pros meus desenhos, pros trabalhos desgastantes da faculdade, pra deixar a barba crescer e fazer um belo regime.
Posso ainda até inventar um novo idioma, escrever um livro ou mesmo criar um país.

Vamos ver o que eu faço com estes meses interessantes.

terça-feira, 3 de maio de 2011

Helen Strangé + Gwar = Lady Gaga

Estava assistindo TV agora pela manhã e fui surpreendido por um clipe novo (pra mim) de Lady Gaga. O nome da canção, salve-se minha memória, é "Born this way".
Hehe!
Eu sei que a idéia é bem essa mesmo: ser do contra, chocar, fazer as pessoas se sentirem mal, causar ânsia de vômito, vergonha alheia, febre tifóide e gonorréia... mas, pô!
Já já essa mulher vai ter que convidar o pessoal do Gwar pra participar dos vídeos:

(Eles não aceitariam o convite)

Existe um filme de 1992, estrelado por Eddie Murphy, chamado "O Príncipe das Mulheres (Boomerang)". Neste filme encontramos uma personagem chamada Helen Strangé (interpretada por Grace Jones, cujas influências sobre Gaga são indiscutíveis), que é uma mulher cafona pseudo-fashion, com um estilo sadomasoquista ao extremo elevado ao brega, exatamente nos moldes de Lady Gaga. No filme, a personagem em questão prepara um comercial de TV para lançar um perfume, e neste, o frasco é parido por uma africana caracterizada em meio a sons tribais e coisas do gênero. O vidro de perfume sai de dentro da vagina da cidadã. É o cúmulo do mal gosto, e me remete exatamente ao clipe que inicio este texto comentando.

Penso que dentro de poucos anos, o pessoal que assiste e curte os clipes da Lady Gaga (não necessariamente a música), vai se sentir embaraçado ao lembrar que gostava de tal coisa, como as garotas mais novas de hoje em dia que na infância curtiam "Rebelde"; como o pessoal que gostava de Backstreet Boys; como a galera que ainda vai deixar de gostar de Restart. A gente vai evoluindo, e os gostos vão se aprimorando. É natural que deixemos de lado certas cagadas. Caso contrário estariam todos até hoje curtindo Talía no Programa do Gugu.

O mundo gira e a bosta roda.