terça-feira, 14 de junho de 2011

A Origem

Podemos classificar como "mídia" todos os meios de comunicação social existentes, sejam eles de grande ou pequeno alcance, objetivos ou subjetivos. Vou ousar dissertar um pouco sobre este assunto nestas poucas e temerosas linhas.

Nos últimos tempos, tempos estes nos quais me encontro vivo (1984/hoje), posso observar com atenção a absurda importância que é atribuída e empreendida por grandes empresas, grupos, e mesmo o cidadão comum, para entender, dissecar, dominar e abusar do poder das mais diversas e comtemporâneas mídias existentes, quase sempre na tentativa de influenciar alguém ou muita gente a fazer alguma coisa, comprar algum item ou escolher algo. Milhões são investidos ao investigar tais fenômenos e procurar direcioná-los, especialmente ao grande público, a grande massa, que é literalmente massacrada por diretrizes midiáticas das mais improváveis naturezas, da hora que acorda à hora que vai dormir, quando dorme, e se é que dorme.

Em minha opinião, e é mesmo o que tenho observado de fato, é sempre maior o poder da mídia sobre seu alvo quanto menor é seu graú de instrução e conhecimento específico, assim como do outro lado do espectro, também é maior o poder de utilizar-se da mídia por cada um dos que empreendem esforços a isto quanto mais avançado é seu discernimento e compreensão do geral social e em relação a tudo. Todos influenciamos e somos influenciados constantemente, porém, não vamos aqui nos ater ao óbvio.  O poder da mídia é mais devastador e urgente; já vi até em alguns textos ser chamado de "o quarto poder", mas é justo neste ponto que precisamos direcionar melhor nossos holofotes e avaliar quando e com quem cada tipo de situação midiática realmente funciona, pois é mesmo verdade que funciona de maneira forte.

A persuasão é uma ferramenta bem empregada pelo ser humano desde o princípio das civilizações e, aquele que sabe apontá-la aos outros como faria com uma arma bem afiada, em geral acaba se beneficiando e gozando de posições de prestígio, em relação é claro, aos seus persuadidos. É fácil fazer tal inidvíduo aceitar uma informação, mas o mesmo conteúdo por outro pode ser absorvido com muita dificuldade, enquanto que por um terceiro pode ser tragado ainda mais rapida e facilmente do que pelo primeiro. E é aí que se concentram os estudos já citados neste texto, e ainda, todas as possíveis divisões de grupos e pessoas suscetíveis a esta ou aquela inserção.

Recentemente assisti a um filme cujo título em português é "A Origem"( inglês "Inception" ), onde o objetivo do personagem central é entrar no sonho de um grande empresário durante seu sono e plantar uma idéia para que este a realize. Perdoem o chavão "a vida imita a arte", mas caso o fosse de fato, vejam a que ponto as coisas poderiam até chegar num futuro não muito distante. Percebam o quanto as pessoas realmente desejam controlar umas as outras, levá-las, empurrá-las, seduzi-las e motiva-las.

Muitas vezes me pego pensando até se um dia fomos, seríamos ou somos capazes de conceber um único e verdadeiro pensamento puro, simples, livre de resquícios externos e influências de mídias paradoxais.


- Este texto sobre o poder da mídia também me rendeu uma boa nota em LPT I, hehe.

Nenhum comentário:

Postar um comentário